Acesso discado ficará 150% mais caro
Tribuna de Santos

http://atribunadigital.globo.com/bn_conteudo.asp?cod=225917&opr= 

Terça-Feira, 13 de Dezembro de 2005, 08:50

Fabiana Stelina

Navegar na internet por acesso discado custará 150% mais caro. Quem utiliza a rede dial-up deve ficar atento às novas normas da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) que entrarão em vigor em março de 2006. A conversão de pulsos por minutos vai encarecer as chamadas mais demoradas. Com isso, o momento é adequado para aderir à banda larga, já que há também uma grande concorrência no setor. As empresas estão oferecendo planos enxutos, sem contar com o aumento na velocidade de transmissão de dados.

De acordo com o presidente da Associação Brasileira dos Usuários de Acesso Rápido (Abusar), Horácio Belfort, a nova regra será desvantajosa para quem usa internet via telefone. “Os pequenos provedores não resistirão muito tempo assim que a tarifação por minuto for implantada”. Belfort diz também que os internautas recorrerão à banda larga. E os que insistirem pelo acesso discado diminuirão o tempo de conexão, para economizar na conta telefônica.

Hoje, o pulso cobrado no Estado de São Paulo, em horário comercial, custa R$ 0,14 (valor com impostos). Em média, o pulso é medido a cada quatro minutos. Como o sistema é de ondas, ao tirar o telefone do gancho, se o usuário pegar o início da onda e fizer uma ligação curta, pagará apenas um pulso. Entretanto, se cair no final da onda, poderá pagar dois pulsos, ainda que sua ligação seja curta. 

Como exemplo, se o usuário navegar 2 horas por dia no acesso discado, no final do mês pagará R$ 126,00, sem levar em conta a velocidade baixa do modem que é de 56 Kbps. Enquanto na banda larga, ficará conectado por tempo ilimitado, pagará, no mínimo, R$ 39,90 pela mensalidade do serviço na região e com o triplo da velocidade do acesso discado. 

Após as mudanças, a ligação será cobrada por minuto pelo valor de R$ 0,09 (com impostos). A hora de acesso passará de R$ 2,10 para R$ 5,40, um aumento de mais de 150% (ver quadro). E o mesmo internauta que ficar conectado durante um mês, duas horas por dia, pagará quase o triplo, R$ 324,00. Ou seja, a cobrança por minuto beneficiará apenas as ligações de curta duração e, conseqüentemente, quem utiliza a internet pela rede dial-up sofrerá prejuízo.  

Quem optar por navegar de madrugada, nos feriados e domingos (o dia todo) e aos sábados (das 14 às 24 horas) também sentirá a mudança. Atualmente, é cobrado um pulso por chamada (por tempo ilimitado), o equivalente a R$ 0,14.  Pela nova regra, em vez de um pulso, serão dois minutos por chamada, R$ 0,18.

Segundo o Ibope/NetRatings, no Brasil 11,7 milhões de internautas utilizaram a rede no mês de outubro, sendo 7,2 milhões via banda larga e 4,5 milhões por acesso discado. O tempo de navegação vem batendo recorde. Em outubro, os internautas residenciais ficaram conectados 18 horas e 42 minutos.

Esse aumento é constatado pelas empresas que oferecem o serviço de internet rápida. Segundo a Telefônica, algumas cidades da Baixada Santista tiveram um crescimento de quase 100%. No último ano,  por exemplo, Praia Grande passou de 2.804 assinantes em novembro de 2004 para 5.394 no mesmo período deste ano, um salto de 93,2%. 

Leia também:
» Empresas na guerra da velocidade